domingo, 10 de junho de 2018

Tirem a comida do leão

Espetacular o texto da Danielle Lourenço Hoepfner!

=======

Tina e Zaurus eram os mais novos reis da savana africana. Apaixonados, celebraram sua união em meio aos amigos, sob a benção dos pais e dos deuses.
O macaco Phynus, o celebrante, falou sobre a vida, o amor, as conquistas, os ancestrais e as novas gerações!
A festa correu solta pela noite adentro! Todos comemoravam com o jovem casal que tinha uma vida pela frente e um reino inteiro para governar.


Fonte: Visual Hunt

A vida seguiu célere.
Zaurus protegia os domínios do reino com justiça, ética e bravura com Zina ao seu lado! Ambos caçavam, ajudam os idosos, tomavam decisões juntos e se revezavam nas atividades reais.
Havia um equilíbrio perfeito!
Quando Tina anunciou a chegada do herdeiro, nova festa se fez! Uma festividade que brindava os ciclos da vida!
Solis nasceu em um dia quente e ensolarado. Acolhido amorosamente pelos pais e familiares era o leãozinho mais fofo do universo.
Tina sentiu a maternidade correndo pelas veias… Forte e pulsante. Um sentimento único, nunca vivenciado anteriormente… A expressão “mato e morro por ele” brotou em seu coração.
Amor forte e intenso. Amor de mãe!
Zaurus chorou de orgulho e emoção: um misto de sensações boas! Assumiu consigo mesmo o compromisso de ser um pai para Solis ainda melhor do que seu próprio pai havia sido com ele.
Amor forte e intenso. Amor de pai!
Solis cresceu em graça e sossego, com uma proteção excessiva dos genitores! Não podia ir à savana no inverno porque não havia o que caçar. Não podia ir à savana no verão porque era apenas um filhote indefeso – presa fácil para os predadores. Sua mãe caçava dobrado, todos os dias, para alimentá-lo.
Na adolescência, como não ia a savana, não tinha amigos da sua idade e seu passatempo era jogar pedras com o sacerdote Phynus.
Tina percebia que havia algo de diferente com o filho mas dizia para si mesma que quando ele crescesse, tudo se resolveria.
Zaurus percebia que havia algo de diferente com o filho mas não queria contrariar Tina…


Fonte: Visual Hunt


A vida seguiu célere…
Solis era um leão adulto, forte, sadio, mas extremamente acomodado. Acordava para almoçar a caça amorosamente trazida por sua mãe, depois voltava para descansar mais um pouco… No final da tarde se arrastava até a ponta da grande pedra para ver o pôr do sol e ficava lá até altas horas rindo das piadas das hienas.
Tina percebeu que Solis cresceu e nada se resolveu.
Zaurus percebeu que deveria ter contrariado Tina.

Tudo fez um triste sentido
Tina e Zaurus resolveram se aconselhar com Phynus. Abriram o coração para o macaco-sacerdote, compartilhando seus medos e dúvidas.
Phynus sorriu e disse: “Tem jeito, meus amigos! Tirem a comida do leão!”.
Tina e Zaurus se entreolharam assustados exclamaram:
COMO ASSIM PHYNUS? Vamos deixar nosso filho morrer de fome?”.
Ele gargalhou e depois respondeu:
Não! A principal habilidade de um leão é caçar! E Solis precisa saber que é capaz de caçar! Precisa se perceber leão! E deixando de dar a comida na boquinha dele, vocês vão permitir que ele entenda que pode comer por si só!”.
O semblante daqueles pais mostrava um misto de sensações: medo, dúvida e falta de entendimento…
Phynus continuou:
Amigos, eu acompanhei de perto o crescimento de Solis! Em nome do amor, vocês nunca permitiram que ele experimentasse a vida, que ele errasse ou que descobrisse suas potencialidades. Ao fazerem tudo por ele, ensinaram que ele é incapaz e fraco! E para propiciar o maior ensinamento que vocês podem dar a ele – descobrir suas potencialidades – vocês devem, finalmente, deixá-lo viver por conta própria! E isso começa pelo instinto da caça! Pela busca pela comida! Tirem a comida desse leão! Quando ele sentir fome, vai se obrigar a ir a savana caçar! Vai errar, vai demorar dias para conseguir um alimento e sentirá mais fome ainda! Mas quando conseguir, descobrirá quem é de verdade: o príncipe da selva!”.

Tina e Zaurus saíram dali arrasados… Tudo fazia um triste sentido. Como haviam errado com Solis. Como ele sofreria para aprender, em dias, o que eles poderiam ter ensinado em uma vida inteira.


Mas, antes tarde do que nunca! Tina e Zaurus planejaram uma viagem de três meses para o interior da savana. Uma viagem para tratar de assuntos dos súditos que lá habitavam. Instruíram os demais membros da tribo sobre a conduta nas suas ausências: cada um caça por si e todos defendem o reino.
Solis escutou aquilo tudo e não entendeu muito bem… Ele não se viu mencionado nos planos da viagem nem escutou orientações dos pais sobre sua alimentação às leoas do grupo.
Curioso, foi ter com os pais: “E aí velhos, quem vai cuidar do meu rango?”.
Tina foi firme, falou sorrindo com os lábios, aparentando uma calma que estava longe de sentir: “Você filho. Com seu porte e sua idade você dá conta de caçar seu almoço sem problemas!”.
Solis rugiu alto pela primeira vez: “Tá maluca mãe? Nunca cacei na vida!”.


Fonte: Visual Hunt

Zaurus, até então em silêncio, comunicou:
Será uma ótima oportunidade de aprender! Confiamos em você!”.
Abraçaram o filho atônito e partiram.
Naquele momento, Solis declarou-se vegetariano. Afinal, quem precisava de carne mesmo?!
Por dois dias foi até a entrada da savana e colheu dezenas de frutinhos vermelhos para se alimentar. Orgulhoso de si mesmo, acreditou que estava com a vida resolvida até os pais voltarem!
No terceiro dia a fome falou alto. Solis se sentiu inquieto e irritado.
Foi até a savana e por mais que comesse as frutinhas, a fome gritava. Percebeu-se encurralado! Teria que entrar na savana se quisesse comer!
E foi! Encantou-se com a beleza do lugar e se perguntou porque nunca entrara mata adentro.
Foi indo sem rumo certo, seguindo, pela primeira vez, a voz do seu próprio coração.
Passou um mês embrenhado na mata. Machucou as patas, quase caiu numa ribanceira, fez novos amigos e sim, caçou! Alimentou-se pelas próprias patas e aprendeu muito sobre si mesmo: ele era Solis, o leão da savana.

O retorno dos pais
Tina chorou por quase um mês apoiada em Zaurus até que as primeiras notícias do sucesso de Solis começaram a chegar! Como ele estava dando conta do recado, o casal começou a aproveitar a viagem e curtir a companhia um do outro como há anos não faziam.
Quando retornaram ao reino, um milagre havia acontecido! Solis empoderou-se! Tomou posse de si mesmo, trazendo para a consciência e a para a ação todas as suas habilidades leoninas! Além de reger o reino na ausência dos pais, havia aberto uma escolinha de caça para leões, para que a tarefa de educar pudesse ser compartilhada entre todos!
Havia encontrado uma parceira querida, Pairas e seu sorriso revelava sua felicidade!
Tina e Zaurus choraram de emoção e felicidade junto a Solis. Agradeceram aos deuses por terem tido a coragem de mudar enquanto havia tempo! Agradeceram por terem tido coragem de confiar na vida! Agradeceram por terem, finalmente, acreditado no filho e dado a ele oportunidade de viver em plenitude!
A vida seguiu célere!
Pairas e Solis se casaram para a alegria de seus pais. E meses depois, Pairas anunciou a chegada de uma herdeira!
O reino foi ao delírio! Phynus, mais tarde, foi cumprimentar os novos pais e declarou:
Parabéns pela princesa Nayra! E já sabem: tirem a comida dessa leoazinha!”.
Todos riram, mas nos seus corações, sabiam sobre a importância de se educar para a autonomia e a independência!




================
Conheça o livro da Dani! Envie um e-mail para: dani@daniellelourenco.com.br e receba um “mini-livro” em pdf com textos afetuosos e conversas incríveis, que falam de coração para coração! 
O livro “Amiga, coloque a calcinha para dentro da calça e outras conversas”,
está à venda na loja Mimos e Caprichos e na Amazon.
Você também pode curtir a página do Facebook – Entrelinhas de Mulher!



domingo, 22 de abril de 2018

Dia Internacional do Planeta Terra - 22 de abril



O Dia da Terra, 22 de abril, é uma data festiva comemorada em muitos países do mundo. A data foi criada nos Estados Unidos por Gaylord Nelson, senador e ativista ambiental. Além de criar a data, o senador lutou pela divulgação e promoção dos objetivos desta data. 

A data foi criada com o propósito de abrir discussões em todo mundo sobre a importância da preservação dos recursos naturais do planeta Terra. Além disso, tinha como objetivo criar uma consciência mundial sobre os problemas da contaminação, destruição da biodiversidade, uso não sustentável dos recursos naturais, desmatamentos e outros problemas que ameaçam a vida em nosso planeta.

A primeira manifestação aconteceu nos Estados Unidos em 22 de abril de 1970. Participaram milhares de pessoas, principalmente estudantes de universidades e escolas. A pressão sobre o governo norte-americano foi grande e este criou a Agência de Proteção Ambiental. 

O Dia da Terra é uma data comemorativa que não é controlada ou organizada por uma entidade específica. Ela pertence a humanidade e, por isso, pode ser comemorada livremente no mundo todo, adequando-se a realidade de cada região.

Optar pelo consumo consciente
Consumir de maneira consciente é analisar o que realmente é necessário. É pensar antes de se render a qualquer impulso momentâneo, ou de imaginar que as coisas apresentadas nas propagandas são realmente imprescindíveis. Esse autocontrole impede que muito dinheiro seja gasto em itens que ficarão parados no armário ou na gaveta sem utilidade alguma. Para tornar-se um consumidor ainda melhor, analise a procedência antes de comprar, opte por produtos e alimentos produzidos localmente.

Deixe melhores filhos para o mundo
Se é necessário se preocupar com um mundo melhor, também é preciso deixar aqui melhores pessoas.
Por isso, passe bons valores aos seus filhos. O hábito também vale para ser aplicado com sobrinhos, amigos e qualquer outra pessoa do seu convívio. Influencie quem está ao seu redor. Contagie-os de maneira a fazê-los melhores seres humanos. Esta é uma corrente que se espalha e gera bons frutos por muitas gerações.

Plante uma árvore
Este é um ato tão simples e prazeroso que deveria ser praticado constantemente por todos os seres humanos. Além de ajudar a minimizar parte da nossa parcela de culpa em relação aos nossos impactos ambientais, essa também é uma valorização da vida. Plantar uma árvore é a geração de um novo ser. Se possível, não fique na primeira, faça disso um hábito que trará bons frutos para o futuro.

Pratique boas atitudes
Compartilhar coisas boas também é uma forma de agradecer e honrar a Terra por toda a hospitalidade e beleza que ela nos oferece. Portanto, faça o mesmo. Respeite o próximo, pratique a gentileza, dê um sorriso. Se possível, vá além. Uma maneira de ultrapassar a zona de conforto é participando de algum trabalho voluntário. Use seus talentos para o bem do outro, a recompensa é imensurável.



Frases sobre o Dia da Terra
þ Preservar e usar de forma inteligente os recursos naturais é o melhor presente que podemos dar ao nosso planeta no Dia da Terra.

þ A Terra é nossa casa, vamos conservá-la e tratá-la com muito amor e carinho.

þ Neste Dia da Terra vamos pensar e agir em favor de nosso planeta.

þ O desenvolvimento sustentável do planeta Terra é fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.




Fonte: Ecoação



domingo, 15 de abril de 2018

Política Pública para Unidades de Conservação no Brasil



Esse livro questiona as políticas públicas voltadas para a criação das Unidades de Conservação (UCs) no Brasil, concluindo que ela está eivada de conflitos e contradições que tornam sua exequibilidade inviável, dado que está repleta de conceitos antagônicos. O principal e que permeia todo o Sistema de Unidades de Conservação é a inclusão no mesmo sistema das UCs de Proteção Integral e de Uso Sustentável.

Sobre a autora:
Doutora em Economia e Política Florestal, pela Universidade Federal do Paraná, possui graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1992), graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1992) e mestrado em Manejo Florestal pela Universidade Federal do Paraná (1996). Sócia do escritório RODRIGUES DE SOUZA & ADVOGADOS ASSOCIADOS especializado em Direito Público, com enfase em Direito Ambiental e Administrativo, presta serviços a diversas empresas da área agroambiental e florestal. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com destaque na área de Política e Legislação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: manejo florestal, Amazônia, EIA/RIMA, Plano de Manejo de Unidades de Conservação, planos de manejo florestal sustentado, avaliação de projetos ambientais em nível nacional executados com recursos internacionais, avaliação, identificação e delimitação de terras indígenas e recursos administrativos e judiciais. É membro da Comissão de Meio Ambiente da OAB/PR desde 2009.


Editora:     Lumen Juris
Peso:   670 g
Páginas:     469
ISBN:    9788584401413
Autora:    Souza, Mara Freire Rodrigues de
Categorias: Direito, Direito Agrário e Ambiental
1ª edição:    2014

Adquira o seu em: 






domingo, 1 de abril de 2018

A verdadeira história do Coelhinho da Páscoa


Lindo o texto de Danielle Lourenço Hoepfner!!!


Fonte: Canva



Era manhã de domingo de Páscoa e o vovô Coelho estava sentado na cozinha com seus netinhos, tomando chá de folha de alface com lascas de cenouras assadinhas. Aquela balbúrdia típica de coelhinhos felizes era ouvida ao longe. Era o que se pode chamar de som da felicidade. Os pequenos haviam dormido lá para poderem acordar bem cedinho e aproveitar o dia tão especial junto daqueles seres tão especiais aos seus coraçõezinhos. Como era de praxe todos os anos, os pequenos coelhos pediam que o avô contasse a história de como um simples coelhinho tinha sido escolhido para ser o ajudante da Páscoa!

Vovô, depois que haviam finalizado o desjejum, acomodou a todos na acolhedora sala de estar, sentou na estimada cadeira de balanço e começou a contar aquela história que lhe era muito cara ao coração.

Fonte: Visual Hunt

“Há muito, muito, tempo… Mas muito tempo mesmo, os coelhos eram animaizinhos que viviam em grandes fazendas. Naquele tempo, muitas famílias ainda residiam no campo e todos os anos chegavam mais e mais famílias para se juntarem aos seus parentes. Eram tempos em que nosso país foi um grande anfitrião, recebendo amorosamente pessoas de vários continentes. As pessoas vinham, construíam suas moradas, lavouras e recomeçam suas vidas nestas terras tão acolhedoras e férteis. Mas nunca esqueceram suas pátrias mães e de quando em quando, recordavam seu passado, comemorando datas especiais pela “receita” cultural de seus locais de origem. Assim, conhecemos o Papai Noel, as danças juninas e os ovos de Páscoa.

As galinhas se achavam muito importantes por participarem daquela festa que celebrava a vida e o renascimento do Salvador!

Organizavam-se em equipes para dar conta das “encomendas”.


Fonte: Canva
Umas botavam os ovos, outras os lavavam, outras pintavam e por fim, aquelas responsáveis pela logística, entregavam-nos.

O fato é que, com o passar dos anos, as famílias foram aumentando… E, para o desespero da galinha chefe, naquele ano, a produção não seria suficiente. Ela reuniu o conselho das anciãs e deliberaram que deveriam priorizar o que sabiam fazer de melhor: botar os ovos. E os serviços de lavagem, pintura e entrega poderiam ser terceirizados com os demais companheiros de fazenda.

Espalharam cartazes por toda propriedade e foram conversar com alguns animais que entendiam ter um grande potencial para atividade de tamanha responsabilidade. Falaram pessoalmente com o cavalo, a vaca, os patos e vários animais da fazenda.

Ficaram contagiadas pela animação que perceberam, afinal, todos disseram sim! Alguns já queriam começar, outros choraram de emoção e outros ainda, perguntaram se além das tarefas mencionadas, poderiam colaborar em algo mais. Ficaram encantadas com a disposição dos coelhos. Tão pequenos e já querendo ajudar… Não “botaram” muita fé naqueles orelhudos, mas, mesmo assim, mantiveram o convite.

A galinha chefe sentiu até um arrepio de medo! Pela impressão que tivera, haveria mais entregadores do que ovos a serem entregues… Mas, pensou, são os riscos das mudanças de processos… Decidiu adaptar-se ao longo dessa nova experiência. Marcou um treinamento com os interessados para o dia seguinte.

Compareceram apenas os coelhos. Ela estranhou muito, mas procedeu com os ensinamentos.
Depois, de posse da lista de comparecimento, foi atrás dos ausentes.
Quanta decepção!

O cavalo disse que tinha interesse em participar, mas que não podia assumir compromissos porque nunca sabia quando estaria ou não no pasto. A vaca se desculpou, mas disse sentir muita dor nas tetas e que deixaria para outra oportunidade. Os patos informaram que haviam esquecido, mas que colaborariam, sim!

E assim, um por um, todos foram justificando suas ausências.

A galinha chefe pensou: estes animais sofrem de MPPA – muito papo e pouca ação.

Novo treinamento se fez e, novamente, apenas os coelhos compareceram. Ela, resignada, ensinou-os tudo o que podia. Até que no domingo de Páscoa, os céleres e desbravadores coelhos – agora promovidos ao status de Coelhos de Páscoa – iniciariam suas novas atividades profissionais.

A primeira Páscoa foi um sucesso! As decorações dos ovos estavam lindas porque foram aperfeiçoadas pelas delicadas mãos das coelhinhas. As crianças foram atendidas em tempo recorde, e antes do amanhecer todos os ovos haviam sido entregues em todas as casas.”

Fonte: Canva

Mesmo já conhecendo a história de trás para frente, os coelhinhos vibraram com o final feliz! Era uma história linda de uma parceria que já se mantinha há anos!

Vovô Coelho concluiu os ensinamentos daquela manhã: “meus amadinhos, o que aprendemos com isso? Que quem quer, faz, não fica só de papo e promessas vazias! Se somos esse time vencedor, é porque os coelhos adotam a metodologia P+A! Papo mais ação! Cumprimos nossa palavra e nos empenhamos, dando o melhor de nós em cada Páscoa!”.


Os coelhinhos abraçaram o amado vovô e, depois,
foram curtir seus ovinhos, cheios de alegria e animação.
Fonte: Sohu


Que o seu coelhinho interior renasça nesta Páscoa,
permitindo que você inicie e conclua todos os sonhos e projetos
que um dia brotaram do seu coração!
Com carinho, Dani
Este conto faz parte da coletânea de contos e crônicas do livro
“Amiga, coloque a calcinha para dentro da calça e outras conversas”
à venda na loja Mimos e Caprichos e na Amazon.
Siga a página da Danielle no Facebook:
 @Entrelinhas de Mulher




Fonte: Clube da Alice